• RIO GRANDE DO SUL
    (51) 3785-4944
  • SANTA CATARINA
    (48) 4042-2779
  • PARANÁ
    (41) 4042-3009
  • SÃO PAULO
    (11) 3042-3949
  • (51) 98189-0833
BLOG

ENTREGA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM TODO BRASIL.
CONDIÇÕES ESPECIAIS NO TELE-VENDAS

Confira 7 dicas de segurança em empilhadeira

12 de setembro de 2017
Empilhadeiras

A empilhadeira é um equipamento que precisa ser usado com cuidado, seguindo as normas de segurança, pois desta maneira se reduzem as possibilidades de acidentes envolvendo o usuário, terceiros e os materiais que estão sendo manuseados.

Existem itens de segurança da própria empilhadeira (alguns já integrados ao equipamento) que precisam ser usados da forma correta para garantir segurança efetiva.

O ideal é oferecer cursos de treinamento e palestras para que os funcionários se inteirem a respeito dos procedimentos de segurança e mantenham-se sempre atualizados sobre o assunto.

Confira 7 dicas de segurança em empilhadeira que você precisa seguir!

1. O uso do cinto de segurança é obrigatório em empilhadeira

A segurança em empilhadeira é afetada por sua instabilidade. O centro de equilíbrio dela é triangular, o que contribui para o tombamento do veículo. Como se trata de um equipamento pesado, o operador está sujeito ao risco real de ser esmagado.

A empilhadeira funciona seguindo o mesmo princípio da gangorra, sendo a carga disposta nos garfos e equilibrada pelo peso do equipamento. O centro de apoio (rotação) é o centro das rodas dianteiras. O contrapeso é constituído pela estrutura da empilhadeira (equipamentos a combustão) ou pela bateria (equipamentos elétricos).

O centro de gravidade da empilhadeira é, geralmente, elevado. Sendo a roda baixa com 3 pontos de estabilidade, o profissional precisa estar capacitado para efetuar com segurança as operações.

Todos os manuais recomendam a utilização do cinto de segurança, que já vem instalado, dispondo de 3 pontas. O uso deste dispositivo é obrigatório por diferentes razões: mesmo em velocidade baixa, a empilhadeira pode tombar (devido a buracos ou manobras mais arriscadas) e esmagar o operador.

Não se deve acreditar que, durante o tombamento, o usuário vá conseguir ter equilíbrio para pular do equipamento e sair sem lesões. O correto é ficar preso ao veículo pelo cinto. Depois da queda, ele poderá soltar o cinto e sair.

A NR 12, no anexo II, item 1.1, trata da necessidade de os operadores de máquinas, como a empilhadeira, terem capacitação adequada, conhecendo, inclusive, noções das leis de trânsito e da segurança e saúde no trabalho.

Na mesma norma, anexo XI, item 9, fala-se sobre a obrigatoriedade do cinto de segurança no uso desses equipamentos.

2. A presença do extintor é fundamental

O extintor de incêndio de PQS (pó químico seco) é fundamental para combater indícios de incêndio no equipamento. Ele é importante, principalmente, naquelas movidas a GLP, cujo risco de incêndio é ainda mais elevado devido ao fato de o gás ser muito inflamável.

Incêndios podem ocorrer com faíscas oriundas do sistema elétricas. Também podem ser resultantes da falta de limpeza — mantenha a empilhadeira sem resíduos de óleo e graxas, pois eles fixam poeiras e detritos em geral.

3. Os sinalizadores são de diferentes modelos

A empilhadeira também deve ter faróis, ou sinalizadores, em comandos independentes: um para o farol da frente e outro para o farol traseiro.

O farol dianteiro permite iluminar no sentido do deslocamento, bem como iluminam pontos de operação no trabalho com cargas elevadas.

O farol de trás, por sua vez, é solicitado em duas situações principais.  A primeira refere-se aos deslocamentos em reversão com cargas altas, nos quais o motorista não deve andar para frente. A segunda situação é nos deslocamentos com cargas em plano inclinado.

O sinalizador luminoso giratório (giroflex) é opcional, mas ajuda a melhorar a segurança em empilhadeira. Trata-se de uma luz vermelha ou amarela, giratória, colocada sobre a empilhadeira. Sua função é avisar, para pessoas que estejam perto do equipamento, sobre seu deslocamento ou movimentação.  

Também existe o blue point (luz LED azul), sinalizador de alto desempenho que indica a presença do equipamento no local. Ela substitui o alerta sonoro de ré e diminui o risco de acidentes por atropelamento. O blue point é colocado na parte superior interna da empilhadeira, permitindo que pedestres e outras pessoas percebam a luz no chão mesmo que o ambiente esteja iluminado.

Há ainda o sinalizador chamado de red safety (ou blue safety, conforme a cor da luz). Formado por duas fontes luminosas paralelas que, realmente, dão a impressão de dois olhos, ele é instalado geralmente no topo da empilhadeira, projetando no solo uma luz vermelha que sinaliza o trajeto do equipamento e funciona como alerta para os pedestres. Dispõe de foco direcionado e alta luminosidade.

4. As câmeras otimizam a visão do operador

Uma boa visão do operador permite maior eficiência e maior velocidade no trabalho. O sistema de câmeras melhora a visão e aumenta a segurança em empilhadeira.

Nos equipamentos mais modernos, as torres de elevação apresentam maior altura, o que dificulta a visualização dos garfos.

Com um bom sistema de câmeras, o operador terá uma visão nítida dos garfos e do entorno, dispensando a necessidade do operador ter de se virar.

As câmeras podem ser instaladas na empilhadeira e no guindaste, contribuindo para reduzir riscos e danos, bem como melhorar a ergonomia e a produtividade.

5. Os EPIs são necessários para manter a segurança em empilhadeira

EPIs (equipamentos de proteção individual) precisam ser usados para garantir a segurança do operador. São adquiridos separadamente, fornecidos pela própria empresa.

São eles:

  • óculos de segurança, pois reduzem a incidência de poeira e outras partículas, bem como minimizam impactos físicos;
  • luvas, que são usadas na transferência de paletes, manuseio e arrumação de cargas;
  • capacete, utilizado sempre que a empilhadeira estiver sendo usada;
  • protetor auricular, pois ele protege os ouvidos do operador e contribui para otimizar sua atenção, reduzindo a incidência de ruídos.

6. A buzina é um alerta e não um brinquedo

A buzina foi um dos primeiros dispositivos integrados aos veículos em geral e cujo objetivo é exclusivamente o de alertar terceiros, evitando acidentes. Infelizmente, seu uso vulgarizou-se a tal ponto que os motoristas costumam usá-la de forma irresponsável, por simples brincadeira.

Com a empilhadeira não é diferente: a buzina melhora a segurança, mas somente se for utilizada adequadamente. Isso porque, à medida que o operador buzina sem necessidade, os outros acabarão não levando a sério e, quando a buzina for acionada em um caso realmente necessário, talvez não surta o efeito desejado.

7. Os melhores cuidados durante o uso do equipamento

Para finalizar, confira outras dicas de segurança em empilhadeira:

  • respeite o limite de carga do equipamento;
  • dê preferência aos pedestres;
  • mantenha o freio de mão desengatado e só freie devagar;
  • faça as curvas com cuidado e em baixa velocidade;
  • desça ladeiras em marcha à ré;
  • não transite com os garfos levantados;
  • só transporte com a coluna da empilhadeira voltada para trás;
  • tenha cuidado ao transitar por pisos ondulados, pois as empilhadeiras não foram projetadas para andar sobre eles;
  • não empurre a carga com os garfos para evitar danos à carga e à máquina;
  • não use paletes quebrados;
  • não dê carona;
  • estacione apenas nos locais devidos e nunca deixe a chave na ignição.

E você, já segue estes procedimentos para garantir a maior segurança em empilhadeira? Para melhorar a sua gestão, aproveite e veja algumas dicas sobre como gerenciar o setor logístico!

Compartilhe:

Nossos
CLIENTES

Entre em contato, tire suas dúvidas!