• RIO GRANDE DO SUL
    (51) 3785-4944
  • SANTA CATARINA
    (48) 4042-2779
  • PARANÁ
    (41) 4042-3009
  • SÃO PAULO
    (11) 3042-3949
  • (51) 98189-0833
BLOG

ENTREGA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM TODO BRASIL.
CONDIÇÕES ESPECIAIS NO TELE-VENDAS

Empilhadeira tombou: veja 5 dicas de segurança para o equipamento

21 de maio de 2018
Empilhadeiras

A empilhadeira é uma máquina utilizada nas indústrias para movimentar grandes volumes. Trata-se de um equipamento com um sistema de braços (os garfos) que permite levantar e mover fardos de um local para outro. Assim sendo, ela auxilia os processos de carga e descarga de mercadorias.

Operar esse equipamento é uma tarefa que requer especialização. Apenas profissionais qualificados estão aptos a conduzi-lo com segurança. Além disso, é preciso respeitar os limites e as especificações da máquina, para evitar desgastes precoces, acidentes de trabalho e lesões.

Outro ponto relevante é evitar o transporte de cargas que possam cair no operador ou nas demais pessoas que estiverem no local. E o que fazer se a empilhadeira tombou? Neste post, apresentamos algumas dicas de segurança importantes para a operação dessas máquinas. Acompanhe!

Que regras devem ser seguidas na operação de empilhadeiras?

É a Norma Regulamentadora Nº 11, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que estabelece os requisitos mínimos de segurança para a operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras (como as empilhadeiras).

Apesar de haver regras, muitos acidentes podem ocorrer em razão de treinamento deficiente, má operação, manutenção insuficiente ou condições de trabalho adversas. Portanto, a melhor forma de evitar expor os operadores a riscos é ficar atento ao cumprimento das determinações especificadas na NR 11.

1. Não permitir que profissionais não certificados operem o veículo

Treinamento adequado e certificação devem ser os requisitos para que um trabalhador possa operar a empilhadeira. Colaboradores que não cumpram essas condições não devem fazer tentativas. É essencial, ainda, que ele dirija com cuidado, de acordo com as normas de trânsito e sempre mantendo o controle da máquina.

2. Não movimentar cargas instáveis e desequilibradas

Cargas instáveis e desequilibradas, que possam cair sobre o operador ou outro trabalhador, não devem ser movimentadas. Isso inclui passageiros: sempre que for necessário elevar pessoas, uma plataforma de segurança (com protetores laterais e bem presa aos garfos) deve ser usada.

Preferencialmente, a empilhadeira deve ser usada com protetores de operador e de carga. Apesar de não serem capazes de resguardar o operador de todos os acidentes, garantem sua proteção contra quedas de objetos.

3. Manter o volume encostado no carro de elevação

Durante a movimentação, a carga, especialmente se for larga, deve ficar encostada no carro de elevação e ser mantida centralizada sobre os garfos. Isso permite que o volume seja distribuído igualmente e não sobrecarregue um lado.

Pelo mesmo motivo, os fardos não podem ser apoiados em um só garfo. Além disso, é importante não transportar cargas superiores à capacidade nominal da máquina, bem como tomar cuidado para que volumes cilíndricos e compridos não girem sobre os garfos.

Os fardos não devem ser transportados em posição elevada, pois a estabilidade da máquina fica reduzida. Também é relevante elevar ou abaixar o volume sempre com a torre na vertical ou um pouco inclinada para trás — as cargas só devem ser apontadas para a frente quando estiverem sobre o local de empilhamento.

4. Ter cuidado ao fazer curvas

É igualmente pertinente que o operador faça curvas lentamente, dirija com cuidado — principalmente nas esquinas — e sempre use a buzina como forma de alerta. Durante a operação do equipamento, seus braços devem ser mantidos dentro do compartimento.

Outros trabalhadores devem ficar longe da empilhadeira e, em hipótese nenhuma, podem se aproximar do mecanismo de elevação quando a máquina estiver em movimento. Passar ou ficar embaixo da carga ou do carro de elevação também são ações proibidas.

O profissional deve sempre observar cuidadosamente o espaço que vai usar. Isso evita batidas, especialmente com os garfos, a torre de elevação, o protetor de operador e o contrapeso.

5. Dirigir com cuidado

Antes de começar a operação do equipamento, o operador deve vestir os equipamentos de proteção individual (EPIs) adequados, assim como colocar o cinto de segurança. Durante a ação, é importante evitar partidas e freadas bruscas para não ocasionar queda dos volumes.

A máquina não deve ser abastecida com o motor em funcionamento, pois isso pode causar incêndios e explosões. Sempre que deixar a empilhadeira, o trabalhador deve desligar o motor, engatar uma marcha, abaixar completamente os garfos e puxar o freio de mão.

Fardos grandes devem ser transportados em marcha ré, para garantir melhor visibilidade e mais segurança. Nesse caso, a carga normalmente deve ser mantida inclinada para trás, especialmente em rampas com mais de 10% de inclinação, e o operador deve mover o equipamento sempre olhando na direção do deslocamento.

A máquina tem especificações que devem ser respeitadas: seu limite máximo não deve ser ultrapassado, é preciso ter atenção à altura da carga e a velocidade deve ser mantida adequada. Sempre que a máquina for estacionada em uma rampa ou estiver passando por um reparo, as rodas precisam ser calçadas.

O que fazer para evitar tombamento?

Tombamento é um dos maiores fatores de causa de acidentes com empilhadeiras — que geralmente ocorrem por sobrecarga. Além do tombamento, há o risco de os trabalhadores serem prensados contra as cargas, quando elas caem. Por isso, o excesso de carga deve ser evitado para que a segurança seja garantida.

Uma opção é usar a balança embarcada. Essa alternativa está disponível como recurso para a maioria dos modelos novos. No entanto, a frota de equipamentos antigos que não tem essa opção também pode se beneficiar dela.

Trata-se de uma solução simples e econômica. É comum que esse investimento seja feito para controle de processo, mas a segurança do trabalho acaba beneficiada: ou seja, o acessório traz um efeito colateral positivo para a operação.

Outras medidas simples incluem: evitar passar por buracos, manchas de óleo e materiais soltos; não descer rampas de frente com a máquina carregada (além de escorregar dos garfos, o volume pode tombar a máquina); manter sempre o fardo voltado para o alto da rampa.

O operador deve ser orientado a comunicar imediatamente qualquer dano ou falha que ocorrer com a máquina ao supervisor. E mais: é essencial que o profissional aguarde o conserto dos defeitos antes de continuar o trabalho.

Manter a segurança da equipe é crucial quando se fala em operação desse tipo de equipamento. Seguir as normas ajuda a garantir que todos os trabalhadores da indústria estarão protegidos — afinal, depois que a empilhadeira tombou, há grandes chances de haver prejuízos para a operação.

E na sua empresa, como é feita a operação dessa máquina? Para se manter atualizado com dicas e informações sobre esse segmento, assine nossa newsletter e receba novidades em primeira mão diretamente no seu e-mail!

Compartilhe:

Nossos
CLIENTES

Entre em contato, tire suas dúvidas!