• RIO GRANDE DO SUL
    (51) 3785-4944
  • SANTA CATARINA
    (48) 4042-2779
  • PARANÁ
    (41) 4042-3009
  • SÃO PAULO
    (11) 3042-3949
  • (51) 98189-0833
BLOG

ENTREGA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM TODO BRASIL.
CONDIÇÕES ESPECIAIS NO TELE-VENDAS

Métodos de avaliação do estoque: tudo o que você precisa saber!

31 de janeiro de 2018
Gestão de Frotas

Você sabe gerir as suas mercadorias com eficiência? Conhece os principais métodos de avaliação de estoque? Sabe como calcular os custos para o seu cliente de acordo com o lote adquirido?

Realizar uma boa gestão de estoque é essencial para garantir melhor lucratividade e evitar perdas na sua empresa, já que o preço dos lotes adquiridos interfere no valor final do produto para o cliente.

Além disso, uma gestão adequada de estocagem permite que você otimize a utilização do espaço físico na sua organização com materiais acumulados. Sendo assim, continue a leitura e entenda o que é um estoque e quais são as vantagens de um gerenciamento eficaz para a sua empresa!

O que é um estoque?

Todos os materiais armazenados pela sua empresa, para serem utilizados futuramente, são considerados parte do inventário. Ele pode ser composto por matérias-primas, mercadorias para revenda, produtos finalizados ou materiais e ferramentas auxiliares.

A função de um estoque é suprir a demanda da sua organização por determinados produtos. Portanto, um controle adequado de entrada e saída dessas mercadorias é essencial para evitar perdas e ganhar em eficiência.

A seguir, veja o que significa realizar uma boa gestão de estoque e todas as vantagens que a prática pode trazer para a sua empresa.

Por que realizar a gestão do estoque?

Realizar uma gestão de estoque significa ter consciência do patrimônio da sua organização e disponibilizar informações sobre os materiais que entram e saem da empresa. Dessa forma, o gestor tem condições de:

  • evitar perdas e desvios;
  • programar a frequência de abastecimento;
  • tomar decisões de compra mais assertivas;
  • identificar necessidades de reposição com antecedência.

Além disso, uma boa gestão de armazém permite que você realize um fluxo de caixa mais preciso e calcule seus lucros com mais eficácia.

Isso porque você pode ter no seu estoque vários lotes de um mesmo produto, adquiridos em datas diferentes e a preços distintos. Assim, o gerenciamento correto dessas informações permite que você calcule o preço de venda das mercadorias de maneira eficaz, evitando prejuízos e aumentando a sua lucratividade.

Quais são os métodos de avaliação de estoque?

Uma vez que o custo de aquisição dos materiais influencia o valor de venda dos seus produtos, é essencial contar com algum método de avaliação de estoque — processo que interfere diretamente na sua lucratividade total. A seguir, listamos os principais métodos utilizados pelas empresas na atualidade.

Curva ABC

Uma das metodologias mais estratégicas é chamada de curva ABC, que possibilita a separação dos materiais de acordo com o seu percentual sobre o volume total de estoque.

O intuito dessa análise é priorizar os itens de maior valor que têm também quantidades inferiores. Essa lógica inversamente proporcional exige que sejam avaliados o custo de aquisição, o preço de vendas e a quantidade disponível. Cada classe representa uma proporção da seguinte forma:

  • classe A — aqui estão centralizados os itens de maior valor ou importância e correspondem a 20% do total;
  • classe B — essa categoria corresponde a 30% dos itens em estoque cujo valor é intermediário;
  • classe C — os 50% restantes representam os itens de menor valor.

Vale ressaltar que essa não é uma regra fixa. Portanto, busque identificar quais faixas de percentual fazem mais sentido para o seu negócio.

Just In Time

O método Just In Time faz parte de um processo mais amplo relacionado à qualidade total e à produção enxuta. Por isso, a sua aplicação depende do pilar logístico para abastecer a produção conforme a demanda.

Na prática, isso quer dizer que a área de compras deve coordenar esforços para que os fornecedores e parceiros realizem a entrega dos materiais somente quando requerido e nas quantidades necessárias.

Essa é uma medida que evita o desperdício e garante a qualidade do produto final. Desse modo, a empresa é beneficiada pela:

  • redução da necessidade de estoque;
  • prevenção de desperdícios e perdas;
  • diminuição da necessidade de espaço físico;
  • redução de custos de aquisição e armazenagem.

MPM

Essa sigla significa Média Ponderada Móvel ou Preço Médio Ponderado e é considerada uma das metodologias mais simples de aplicar. No processo de compras, é natural que o preço dos produtos vendidos pelos fornecedores variem por uma série de razões.

Pensando nisso, o Método MPM leva em consideração o preço de aquisição de cada lote e calcula a média sempre que novos itens dão entrada ou saem do estoque. Veja como o cálculo pode ser representado na prática:

  1. A empresa tem 20 unidades de um produto que custou R$ 20,00 cada, totalizando R$ 400,00.
  2. Em seguida, foram adquiridas outras 12 unidades cujo custo unitário é de R$ 18,00 cada, totalizando R$ 216,00.

Nesse cenário, o valor total de mercadorias em estoque é de R$ 616,00. Já o preço médio é R$ 19,25. Portanto, esse total pode ser obtido pelo somatório de todas as compras dividido pela quantidade de mercadorias.

Custo médio

Essa metodologia consiste no cálculo do custo de cada mercadoria com base no custo médio de compra.

Para calcular o custo de determinado tipo de produto — pacotes de arroz, por exemplo —, você deve somar o valor gasto com cada um dos lotes adquiridos e dividi-lo pela quantidade desse item no seu estoque.

Imagine que você possua dez pacotes de arroz de 1 kg no seu armazém. Três deles foram adquiridos por R$ 1,60 e os outros sete, por R$ 1,70. Dessa maneira, o custo total dos dez pacotes de arroz é de R$ 16,70, com o custo médio de R$ 1,67.

Além de simples de ser aplicado, esse método oferece uma ideia segura da sua rentabilidade. No entanto, não é indicado para estoques nos quais o fluxo de mercadorias é muito alto. Além disso, você deve refazer os cálculos sempre que adquirir um novo lote de qualquer item.

Preço específico

Esse método, assim como o do custo médio, é de fácil utilização. Contudo, só pode ser usado por empresas que vendem produtos de grande porte, como máquinas, automóveis ou imóveis.

Isso porque apenas esses produtos permitem que você calcule o preço de custo específico de cada unidade, obtendo o valor total do estoque como a soma do preço de cada um dos itens.

PEPS

O método do Primeiro que Entra, Primeiro que Sai (PEPS) consiste em obedecer à ordem cronológica de entrada dos produtos para realizar o cálculo de custos — ou seja, você deve utilizar primeiro as mercadorias mais antigas e, depois, as adquiridas mais recentemente.

Se você optar por seguir essa metodologia, deve utilizar o preço de custo do lote mais antigo para calcular o valor de venda do seu produto. Somente quando ele terminar é que você deve recalcular o preço de venda segundo o próximo lote, e assim sucessivamente.

No caso dos pacotes de arroz, você deve utilizar o preço de custo de R$ 1,60 para calcular o preço de venda dos primeiros três pacotes. Com o fim dessa mercadoria, você pode passar a utilizar o preço de R$ 1,70 para calcular o valor de venda dos últimos sete pacotes.

Dessa forma, o método se mostra eficaz para a categoria de produtos que contêm data de validade, uma vez que permite uma circulação contínua e ordenada de mercadorias. Entretanto, é necessário ter muita organização e disciplina para utilizar o PEPS de maneira correta.

UEPS

Esse método é conhecido como Último que Entra, Primeiro que Sai (UEPS). Ele é bem parecido com o método PEPS, porém o valor de venda aqui é calculado segundo o valor do lote mais caro.

Isso significa que, no exemplo dos sacos de arroz, o preço de venda dos sete primeiros pacotes vendidos deve ser calculado segundo o preço do último lote (R$ 1,70).

Há uma supervalorização do preço de venda da mercadoria no método. No entanto, ele possibilita um ajuste mais rápido e eficiente dos valores cobrados para o consumidor, além de facilitar significativamente as previsões de lucratividade.

Por fim, o UEPS não é indicado para estoques com mercadorias que contêm prazo de validade, uma vez que propõe que sempre se utilize a mercadoria adquirida mais recentemente.

Como colocar a avaliação de materiais em prática?

Não se preocupe! Empresas de todos os portes podem — e devem! — avaliar o seu estoque com a maior precisão possível. Porém, essa prática depende de diversos fatores para possibilitar o sucesso dessa iniciativa, como a necessidade de sistema de gestão.

Embora as planilhas sejam uma alternativa mais acessível, o seu nível de eficácia diminuiu com a maior variedade de materiais provenientes de fornecedores distintos. Além disso, as fórmulas estão sujeitas a erros de lançamento e a danos nos arquivos.

Isso quer dizer que os sistemas de gestão desenvolvidos para esse fim são mais seguros e ágeis, porém o seu manuseio requer a presença de profissionais qualificados. Afinal, o controle de estoque e inventário é uma das muitas obrigações fiscais que o gestor deve cumprir.

Agora que você tem maior conhecimento sobre quais são os principais métodos de avaliação de estoque, certamente é capaz de determinar a melhor forma de fazer gestão na sua empresa. Assim, é possível ter uma noção real do seu patrimônio, calcular com eficácia o preço de venda e a sua lucratividade e suprir as demandas de cada departamento.

Você quer continuar lendo sobre o assunto? Então, acesse mais conteúdo em nosso site!

Compartilhe:

Nossos
CLIENTES

Nossas unidades

Temos unidades em 4 Estados

RIO GRANDE DO SUL

Berto Círio, 158,
São Luis - Canoas/RS

(51) 3785-4944

SANTA CATARINA

Rodovia José Carlos Daux,
4150 Florianópolis/SC

(48) 4042-2779

PARANÁ

Av. Cândido de Abreu, 776
Curitiba/PR

(41) 4042-3009

SÃO PAULO

Rua Sgt Alcides Oliveira, 549
São Paulo/SP

(11) 3230-6774